Aqui Corre O Tempomas A Vida Anda Devagar

Repete-se aqui: de forma contínua. Apesar do medo, da dificuldade, do inferno que for. Se você já jogou, queira relembrar o que rola quando você fica parado mais de 5 segundos. Mas anda, que a vida anda, os fantasmas correm e só dá pra comê-los se você caminhar até o bônus. Ela pode até aparecer sozinha, mas só vai dar as caras se você se mexer. Só preciso parar pra correr LITERALMENTE, porque a faculdade me tirou o tempo de exercitar pra perder a barriga de cerveja. Tem jeito não, é isso: lei de Pacman. Simples assim. Será que deu pra pegar a analogia? Você PRECISA manter-se em movimento, a todo o custo. VOCÊ SE FODE, OS FANTASMAS TE CERCAM. If you adored this write-up and you would such as to get more facts regarding O tempo aqui kindly visit the web site. Não é que você não possa parar um instantinho pra recuperar o fôlego e tomar a melhor decisão. Mas lembre-se: novos fantasmas virão. Com a experiência, será possível aplicar vários perdidos nos fantasmas pra ganhar tempo pra quando precisar parar, e também será possível achar aqueles bônus que vão te permitir comer até mesmo essas desgraças. Ponha-se em movimento, mesmo que seja pra chorar em movimento. Já jogou Pacman alguma vez? Não é que você não possa ter medo de todos os problemas que surgiram e sentir-se mal por isso. Mas você não pode simplesmente ficar parado esperando a solução. Curiosamente, esta semana participei de algumas experiências muito legais na faculdade, pude retomar assunto com alguns amigos cuja presença me faz falta, peguei um merecido cinema com a namorada ontem.

Este projeto me trouxe de volta ao aqui e agora. Usar as cinzas das minhas próprias obras queimadas para contabilizar o valor do meu tempo e o tempo de outras pessoas significa, haver encontrado sinais reais de porquê fiz o que fiz nos últimos 20 anos, porque levei adiante este projeto chamado “FOGO” e o que farei daqui pra frente após três anos repletos de autoconhecimento. Hoje percebo que, em 2017, me preparei sem sequer imaginar que um dia o mundo seria forçado a esta pausa obrigatória, um lockdown. O mesmo tempo que impõe respeito à vida, que apresenta diretamente a nossa iminente desaparição. Realmente, não importa. Vivemos acontecimentos, somos felizes através de experiências, com os outros ou de forma individual. Um 2017 que trouxe com o poder do fogo uma sabedoria – pessoal e profissional – que me ensinou que a matéria não importa. Me preparei, sem saber ao certo o que estava fazendo, ainda que isso servira para chegar pleno para enfrentar esta pausa. Me preparei para ficar quieto, entender que a desolação, a solidão e que os momentos de calma sao fundamentais. É fundamental conhecer a plenitude do vazio para crescer como humanidade e entender realmente o significado das coisas importantes e, sobretudo da importância de cada pessoa em nossas vidas. E a pergunta que se repete uma e outra vez desde aquele dia junto ao fogo: Qual é o real valor do nosso tempo? Um deserto chamado Atacama, renovou e aprofundou esse novo estado em minha percepção do mundo, um sentimento diferente, fresco e atual, presente e imprevisto, o Tempo Aqui vigoroso e chocante, vazio e repleto de uma enorme solidão. Nos apresenta de forma direta a nossa maior preciosidade: nosso próprio tempo. “FOGO” representa um conjunto de interrogantes sobre o tempo.

Após algumas semanas tentando encontrar maneiras de continuar a conciliar o meu interesse em postar regularmente aqui para vocês e as exigências crescentes das minhas demais atividades, cheguei à conclusão de que é melhor suspender as tentativas e deixar o blog em férias por tempo indeterminado, enquanto não tiver condições de oferecer a atenção que vocês merecem. Desativei os comentários porque julguei que seria melhor evitar a melancolia desta despedida, que pode ser por prazo curto. Não são mudanças que me desagradam (pelo contrário, até), mas elas contribuem para reduzir a demanda por um blog textual com quase 22 anos de idade, cujo autor cada vez mais sente que já escreveu quase tudo que tinha para dizer sobre o assunto. O BR-Linux está no ar ininterruptamente desde 1996. Nos tempos áureos da primeira década do século XXI, cheguei a publicar médias de 12 a 15 artigos por dia, 7 dias por semana. Na década atual, o ritmo foi diminuindo no compasso de pelo menos 2 outros fenômenos interessantes, mas fora do meu domínio de interesse: a prevalência da disseminação de informação por outras mídias (redes sociais, vídeos) e a crescente mistura entre o noticiário sobre Linux e o noticiário corporativo. E deve surgir, porque continuo usuário de open source e de Linux. Quero agradecer a todos que contribuíram, participaram, apoiaram, leram, patrocinaram ou de outras formas fizeram parte da história do BR-Linux até aqui. Quero registrar também que não tenho a menor dúvida de que outros blogs, sites, fóruns, canais, grupos, sites e agremiações continuarão a disponibilizar informações e agregar a comunidade. Se se quiserem dar um alô, vocês podem me encontrar no twitter, como @augustocc – de vez em quando posto sobre open source por lá, inclusive.

Art. 172. Os pisos dos locais de trabalho serão planos e horizontais, com passagens que permitam livre trânsito e transporte de materiais com segurança. Art. 174. Nas regiões onde não haja serviço de esgotos, deverão os responsáveis pelos estabelecimentos ou empresas assegurar aos trabalhadores, na medida do possível, um serviço higiênico de privadas, seja por meio de fossas adequada, seja por outro processo que garanta a saude pública e conforto dos trabalhadores. Art. 173 – As aberturas nos pisos e paredes serão protegidas de forma que impeçam a queda de pessoas ou de objetos. Art. 172 – 0s pisos dos locais de trabalho não deverão apresentar saliências nem depressões que prejudiquem a circulação de pessoas ou a movimentação de materiais. Art. 173. Em todos os estabelecimentos situados em região onde haja serviço de esgotos, deverá haver privadas ligadas à rede na proporção de uma para cada 20 trabalhadores, com separação de sexos, situadas em cômodos de fácil limpeza e mantidas em estado permanente de asseio e higiene, proibida o lançamento de papéis servidos em recipientes abertos. Art. 173. As aberturas nos pisos e paredes serão protegidas por guarnições que impeçam a queda de pessoas ou objetos.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *